Perguntas Frequentes sobre o Startup Weekend Joinville

Olá pessoal!

Muitas pessoas estão perguntando sobre o formato do evento e como tudo vai acontecer durante os 3 dias de Startup Weekend Joinville. Por isso, decidimos fazer um FAQ para ajudar com algumas perguntas básicas.

Que tipos de projetos são aceitos?

O Startup Weekend Joinville incentiva que seus participantes criem negócios web ou mobile. É um requisito também que os projetos estejam no estágio de ideia. O evento é para novas ideias. Não serão aceitos projetos já iniciados. Como um dos objetivos é aprender a desenvolver bons modelos de negócio, não recomendamos também projetos “for fun” ou filantrópicos.

Quem pode participar do Startup Weekend Joinville?

O evento tem três públicos principais: desenvolvedores (qualquer pessoa apta a escrever código), designers (pessoas que consigam desenhar interfaces) e audiência de negócios (gerentes, administradores, especialistas em finanças). Esta divisão tem o principal objetivo de tornar os times que serão formados homogêneos em termos de perfil de participantes.

Qual é o formato do evento?

120 potenciais empreendedores com perfis de tecnologia, negócios e design apresentam as suas ideias de negócio na sexta-feira à noite e formam times para trabalhar durante todo o fim-de-semana para criarem um novo negócio. No sábado, os times terão apoio de mentores, especialistas e empreendedores de sucesso, que ajudarão no desenvolvimento dos projetos. A ideia de negócio será apresentada aos jurados, no domingo, que darão feedbacks e sugestões aos empreendedores. Ganha quem conseguir desenvolver uma ideia com um modelo de negócio interessante e criar mais durante o fim-de-semana. Ganha o quê? Surpresa!

Vi que haverá atividades em equipe. Precisamos levar amigos ou as equipes serão formadas no dia?

As formações de equipes e ideias acontecem no local, venha com o seu computador e muita sede de fazer novas startups. Os pitches na sexta-feira à noite serão no formato “pitch-fire”, ou seja: o empreendedor que tiver uma ideia terá somente 60 segundos para conquistar a plateia. Não haverá apoio de apresentação. Após os pitches, cada participante vota nas 3 ideias que mais gostou. As ideias mais bem votadas são selecionadas para a formação de equipes. Se a sua ideia não for selecionada, tudo bem. Você deverá procurar uma equipe para fazer parte. Se a sua ideia for selecionada, você terá de recrutar outros participantes que querem participar no desenvolvimento e querem ver o seu produto no ar. Esta é uma maneira ágil de formar times. Ou seja, não é uma forma de excluir participantes. A partir disso, os times estão formados e é hora da mão na massa!

Posso levar minha atual startup para o Startup Weekend Joinville?

Não, o evento é para novos projetos. Entretanto, se você já tem uma startup, recomendamos que você leve seu time para participar do ambiente, aproveitar o networking e se integrar a novos projetos.

Como funciona propriedade intelectual no evento?

Não se preocupe, sua ideia não será roubada. Na verdade, você encontrará sócios e/ou parceiros para que ela tome vida e deixe de ser apenas uma ideia. Recomendamos apenas que os times estabeleçam entre si critérios para formalizar a ideia como companhia no futuro.

Não tenho uma ideia de negócio, posso participar do evento?

Claro. Você poderá escolher as ideias de outros participantes que mais gostar e se juntar a um dos times.

O evento possui estacionamento?

Sim, o local onde sera realizado o Startup Weekend possui vagas para estacionamento.

Será fornecida alimentação?

O evento fornecerá um coffee break na sexta; café da manhã, almoço, coffee break e jantar no sábado e café da manhã, almoço e coffee break no domingo. Para aproveitarmos melhor o tempo, todas as refeições serão feitas no próprio local do evento.

O que preciso levar para o evento?

Ingresso impresso, Laptop (essencial para trabalhar), Cartões de visita (networking!), Modem 3G (caso possua), Cabos de rede, Extensões de tomada/multiplicadores (aka “T”), Adaptadores de pinos para tomada,

Qual a programação do evento? Que hora começa? Que hora devo chegar?

O credenciamento tem início às 18h00 no dia 26/02 e o evento tem início às 19h00. Seguiremos rigidamente estes horários.

Até o evento, o que devo fazer?

Recomendamos que você:

  • Amadureça sua ideia. Pense simples e lembre-se que teremos apenas um fim de semana para executá-la. Pense também no modelo de negócio e como você pretende ganhar dinheiro com ela.
  • Estude! Recomendamos que você se informe sobre as metodologias Business Model Generation/Business Model Canvas e Lean Startup/Running Lean. Estas técnicas têm revolucionado a maneira como as pessoas empreendem no segmento de tecnologia. Recomendamos também que você se inteire sobre o que é desenvolvimento ágil.
  • Faça networking! Temos uma página no Facebook (http://www.facebook.com/swjoinville), onde incentivamos a integração prévia entre os participantes. Acompanhe também nosso blog na página oficial do evento (http://bit.ly/SWJoinville).







Perguntas Frequentes sobre o Startup Weekend Florianópolis

Olá pessoal!

Muitas pessoas estão perguntando sobre o formato do evento e como tudo vai acontecer durante os 3 dias de Startup Weekend Floripa. Por isso, decidimos fazer um FAQ para ajudar com algumas perguntas básicas.

Que tipos de projetos são aceitos?

O Startup Weekend Floripa incentiva que seus participantes criem negócios web ou mobile. É um requisito também que os projetos estejam no estágio de ideia. O evento é para novas ideias. Não serão aceitos projetos já iniciados. Como um dos objetivos é aprender a desenvolver bons modelos de negócio, não recomendamos também projetos “for fun” ou filantrópicos.

Quem pode participar do Startup Weekend Floripa?

O evento tem três públicos principais: desenvolvedores (qualquer pessoa apta a escrever código), designers (pessoas que consigam desenhar interfaces) e audiência de negócios (gerentes, administradores, especialistas em finanças). Esta divisão tem o principal objetivo de tornar os times que serão formados homogêneos em termos de perfil de participantes.

Qual é o formato do evento?

120 potenciais empreendedores com perfis de tecnologia, negócios e design apresentam as suas ideias de negócio na sexta-feira à noite e formam times para trabalhar durante todo o fim-de-semana para criarem um novo negócio. No sábado, os times terão apoio de mentores, especialistas e empreendedores de sucesso, que ajudarão no desenvolvimento dos projetos. A ideia de negócio será apresentada aos jurados, no domingo, que darão feedbacks e sugestões aos empreendedores. Ganha quem conseguir desenvolver uma ideia com um modelo de negócio interessante e criar mais durante o fim-de-semana. Ganha o quê? Surpresa!

Vi que haverá atividades em equipe. Precisamos levar amigos ou as equipes serão formadas no dia?

As formações de equipes e ideias acontecem no local, venha com o seu computador e muita sede de fazer novas startups. Os pitches na sexta-feira à noite serão no formato “pitch-fire”, ou seja: o empreendedor que tiver uma ideia terá somente 60 segundos para conquistar a plateia. Não haverá apoio de apresentação. Após os pitches, cada participante vota nas 3 ideias que mais gostou. As ideias mais bem votadas são selecionadas para a formação de equipes. Se a sua ideia não for selecionada, tudo bem. Você deverá procurar uma equipe para fazer parte. Se a sua ideia for selecionada, você terá de recrutar outros participantes que querem participar no desenvolvimento e querem ver o seu produto no ar. Esta é uma maneira ágil de formar times. Ou seja, não é uma forma de excluir participantes. A partir disso, os times estão formados e é hora da mão na massa!

Posso levar minha atual startup para o Startup Weekend Floripa?

Não, o evento é para novos projetos. Entretanto, se você já tem uma startup, recomendamos que você leve seu time para participar do ambiente, aproveitar o networking e se integrar a novos projetos.

Como funciona propriedade intelectual no evento?

Não se preocupe, sua ideia não será roubada. Na verdade, você encontrará sócios e/ou parceiros para que ela tome vida e deixe de ser apenas uma ideia. Recomendamos apenas que os times estabeleçam entre si critérios para formalizar a ideia como companhia no futuro.

Não tenho uma ideia de negócio, posso participar do evento?

Claro. Você poderá escolher as ideias de outros participantes que mais gostar e se juntar a um dos times.

O evento possui estacionamento?

O Parque Tecnológico Alpha, onde o Sebrae Santa Catarina esta localizado, possui vagas para estacionamento.

Será fornecida alimentação?

O evento fornecerá um coffee break na sexta; café da manhã, almoço, coffee break e jantar no sábado e café da manhã, almoço e coffee break no domingo. Para aproveitarmos melhor o tempo, todas as refeições serão feitas no próprio local do evento.

O que preciso levar para o evento?

Ingresso impresso, Laptop (essencial para trabalhar), Cartões de visita (networking!), Modem 3G (caso possua), Cabos de rede, Extensões de tomada/multiplicadores (aka “T”), Adaptadores de pinos para tomada,

Qual a programação do evento? Que hora começa? Que hora devo chegar?

O credenciamento tem início às 18h00 no dia 20/03 e o evento tem início às 18h30. Seguiremos rigidamente estes horários.

Até o evento, o que devo fazer?

Recomendamos que você:

  • Amadureça sua ideia. Pense simples e lembre-se que teremos apenas um fim de semana para executá-la. Pense também no modelo de negócio e como você pretende ganhar dinheiro com ela.
  • Estude! Recomendamos que você se informe sobre as metodologias Business Model Generation/Business Model Canvas e Lean Startup/Running Lean. Estas técnicas têm revolucionado a maneira como as pessoas empreendem no segmento de tecnologia. Recomendamos também que você se inteire sobre o que é desenvolvimento ágil.
  • Faça networking! Temos um perfil no Twitter (@SWFloripa), onde divulgaremos materiais interessantes e avisos. Não deixe de segui-lo. Temos também uma página no Facebook (http://www.facebook.com/swfloripa), onde incentivamos a integração prévia entre os participantes. Acompanhe também nosso blog na página oficial do evento (http://florianopolis.startupweekend.org).







Dicas matadoras para validar o problema que você esta resolvendo!

03 perguntas que geralmente respondo à empreendedores que estão começando o processo de validação do problema.

  1. Por que é tão importante entrevistar meus clientes?

No processo de validação do problema, a primeira coisa que você quer descobrir é se o seu cliente acredita que o que você está construindo resolve o problema dele. E para descobrir isso, você deve responder ao longo da entrevista as seguintes perguntas:

  • O cliente sabe que ele tem esse problema?
  • O cliente tem empatia por esse problema? Nosso problema é uma dor para o cliente?
  • Se sim, como eles resolvem esse problema hoje? Essa é a segunda descoberta na validação do problema: como os clientes resolvem esse problema hoje? Descobrindo isso, você vai descobrir quem são seus reais competidores e com quem você terá que disputar a atenção dos seus clientes?

Então, nessa primeira etapa, nós não conversamos com o cliente sobre a solução. Nos limitamos a falar sobre o problema, sobre as dores do cliente e a aprender com ele diferentes formas de resolver esse problema.

  1. Mas por que é tão importante fazer essas entrevistas?

A importância das entrevistas para o processo de validação se resume a 3 pontos:

  • Entrevistas são a melhor forma de entender o perfil do seu cliente. Na verdade, você vai identificar diversos perfis de clientes, como e quanto o problema impacta na vida deles.
  • São também uma oportunidade de engajar seus primeiros clientes. Ao criar uma startup, você estará executando o processo de desenvolvimento do produto e de construção do relacionamento com o cliente em paralelo. Então aqui é o momento para você começar a fazer isso.
  • As entrevistas ajudam a entender o ponto de vista do cliente. E quando você conseguir enxergar o problema pelo ponto de vista do cliente, você estará com todas as ferramentas para construir a melhor solução para ele.
  1. Mas por que entrevistar clientes é tão difícil?

A maioria dos empreendedores são apaixonados pelo problema que estão tentando resolver. Alguns deles sentem a “dor” que esse problema causa no dia a dia e, como dizem por ai: “a dor cega” e quando o empreendedor é vítima dessa cegueira, geralmente ele acha que já sabe tudo sobre o problema e sobre a solução. As entrevistas provam que em 99% dos casos você sabe muito pouco sobre o problema que você está tentando resolver e menos ainda sobre a solução e é isso que torna o ato de entrevistar clientes e defrontar-se com essa verdade algo tão difícil. Encare as entrevistas como um exercício de aprendizado e descoberta. Essa postura vai tornar o processo mais fácil e menos doloroso.

Fonte: 21212 Academy








Empresas e produtos que souberam resolver os problemas corretos

A perspectiva de se encarar os produtos e serviços como soluções para problemas que pessoas ou instituições possuem foi elaborada incialmente por Clayton Christensen, professor de Harvard e autor de best sellers como Innovator’s Solution (leitura obrigatória!)  e outros.

Conferindo alguns de seus materiais, você vai se surpreender ao entender como um simples milkshake pode resolver problemas de formas tão distintas. Confira esse artigo aqui (em inglês).

E diversos exemplos podem ajudar a clarear esse conceito.

Como em qualquer artigo sobre inovação, o caso do Post-it da 3M é sempre interessante. Antes dele usávamos um pedaço de papel cortado com um pedaço também cortado de fita Durex. O problema era resolvido: tínhamos o lembrete visualmente indicado para não esquecermos. Mas, definitivamente, não era resolvido da melhor forma! Vale a pena conferiraqui a análise do próprio criador do Post-it nessa perspectiva do problema-solução.

Outro exemplo de um produto bem simples: a caneta marca texto. Quem compra uma dessas pra deixar o livro mais bonito ou colorido? O problema a ser resolvido é o de não conseguirmos guardar todas as informações importantes que queremos. Se existisse um remédio realmente eficiente para memória, provavelmente o mercado dessas canetas mudaria bastante.

Existem empresas que já foram desenhadas desta forma, para resolver problemas específicos. Aqui as segmentações tradicionais de mercado ou perfil de consumidor começam a se mostrar ineficientes. O caso da empresa alemã BlackSocks demonstra isso. Trata-se de uma empresa que vende meias pretas. A questão é: qual o problema e quem tem um problema relacionado a meias pretas?

Na visão dos empreendedores, são as pessoas que usam muitas meias pretas – basicamente homens que usam terno todo dia e que não sentem qualquer prazer em ir a um shopping comprar meias de trabalho! Independente de idade, classe social ou região geográfica, existem homens que precisam, todos os dias, de meias pretas.

Provavelmente bem poucos até gostam de ir shopping comprar roupas. Mas nada provável que gostem de ter que comprar meias. Este é o contexto no qual o empreendedor mapeia um problema que um grupo específico de pessoas possui.

Mas no momento em que precisa sair para trabalhar de terno e percebe, em cima da hora, que não possui mais nenhuma meia em condições adequadas para utilizar, nessa hora ele se depara com um problema que realmente o atrapalha. Esta é a circunstância, que juntamente com o contexto, ajudam a definir o problema a ser resolvido.

blacksocks

E assim, pensando nessa segmentação baseada em contexto e circunstâncias que a BlackSocks criou um serviço de assinatura de meias pretas (criativamente chamado, em inglês, de “sockscription”). O problema resolvido: nunca mais passar pela situação de se deparar com a falta de meias para ir trabalhar, e mais, nunca mais precisar sair para ir ao shopping realizar essa atividade tão “empolgante” de comprar meias!  Com essa solução cuidadosamente projetada para resolver um problema específico, a empresa já atingiu R$10 milhões de faturamento.

Faça você mesmo esse exercício. Tente identificar como diversos outros empreendedores desvendaram problemas endereçando soluções extremamente bem projetadas, como nos casos da Curves, Groupon, Ipod, Nespresso, IKEA, EasyJet, Netflix, Metro (o jornal), Blackberry (quando foi lançado!).

Resolver problemas é o principal objetivo do empreendedor. Analisar mercados através de segmentações baseadas em circunstâncias e contextos é uma forma de investigação nesse sentido – e procurar por barreiras que impedem que problemas importantes sejam resolvidos é outra.

Fonte: 21212 Academy








Veja por que o Dr. House pode te ajudar a empreender de forma mais eficiente!

Dez entre dez empreendedores que estão buscando uma proposta de novo negócio estão focados na perspectiva errada. Pare um instante e avalie se você não está concentrado demais na solução que pretende criar, ao invés de realmente identificar o problema que os clientes – sejam eles pessoas, empresas, governos ou qualquer outro tipo de instituição – possuem? Repare: um problema não necessariamente é algo ruim. É simplesmente uma questão que ainda não foi bem resolvida. Ou ainda, pode ser uma questão que até já foi resolvida, mas não da melhor forma!

Quando disse que dez entre dez empreendedores estão com seu foco errado é porque na hora de compartilhar sua proposta de novo negócio inovador eles invariavelmente apresentam a solução que idealizaram, ao invés de destacar a essência e relevância do possível problema que pretendem resolver. Isto é, inclusive, um dos maiores erros na hora de criar um produto ou serviço inovador: criar uma solução e sair em busca de um problema! Esse encaixe na maioria das vezes acaba não acontecendo, e aí não tenha dúvida, não vai pra frente!

O ponto é: clientes não são especializados em soluções, mas sim em problemas! Eles não são especialistas em analisar e identificar as melhores soluções para seus problemas. Eles são especializados em ter problemas! Nos seus próprios problemas! No papel de clientes temos inúmeros problemas que precisam ser resolvidos. Acabamos, na maioria das vezes, influenciados por aqueles produtos que possuem maior visibilidade – daí a enorme importância da propaganda e publicidade. Mas isso não quer dizer que aquele produto ou serviço era efetivamente o melhor para resolver nosso problema. Não analisamos todas as opções e variáveis, simplesmente seguimos o que é mais promovido.

A melhor maneira de enxergar isso é fazendo analogia de quando vamos ao médico. Normalmente procuramos um médico porque temos um problema, uma dor. Exatamente igual a quando vamos ao “mercado” comprar um produto ou serviço. Mas a diferença é que no consultório médico chegamos apresentando justamente o que, como e onde está a nossa dor. Não procuramos o médico pra apresentar nosso auto-diagnóstico e o remédio que pretendemos tomar. Se fosse assim, nem precisaríamos do médico (e teria muita gente morrendo por aí)!

Por outro lado, o médico também não fica te apresentando diferentes remédios ou opções de tratamento para você escolher a que mais lhe agrada. Ele começa a fazer uma minuciosa e profunda investigação dos sintomas e possíveis causas da sua dor. Ele faz perguntas, faz avaliação visual ou sensorial e pede exames, muitos exames. Tudo para ter a perfeita noção do que pode ser a doença e então, somente depois, indicar uma solução.

Onde é a dor, qual a intensidade, como ela é, quando é sentida, o quanto incomoda, qual o histórico médico, da família, o que você fez de diferente desde que a dor começou etc, etc, etc. São inúmeras questões investigadas sobre a dor! Todos os exames são voltados para entender melhor qual é o problema. É uma verdadeira e profunda investigação!

Quem leva isso ao extremo, no lado da ficção, é o personagem homônimo do seriado Dr. House. Quem já viu um episódio sabe: durante 90% do programa tudo está voltado para que seja claramente indicado os motivos, os sintomas, as informações que podem dar pistas do surgimento e existência daquele problema. Ele tem uma equipe de investigadores. Ele faz diversos brainstorms pra tentar criar conexões entre sintomas e características, muitas vezes sem qualquer relação entre si. Durante o processo, diversas possibilidades surgem e rapidamente são testadas e eliminadas. Até que, nos minutos finais, apenas quando o problema é realmente identificado, ele aponta a solução. Muitas vezes são extremamente simples, como uma injeção, uma aspirina ou simplesmente parar de comer chocolate. Outras são bem, bem mais complexas como cirurgias ou grandes tratamentos. É fato: quando um problema é bem mapeado, fica bem mais fácil definir possíveis soluções! Até porque existem diferentes soluções pra um mesmo problema. Uma simples dor de cabeça pode ser tratada com remédio, gelo, descanso ou pode exigir internação. Quanto mais definida a dor, mais eficiente o remédio.

E é exatamente dessa forma que os empreendedores devem começar. Procurando por dores, problemas, entender sintomas, causas, combinar diferentes tipos… Esse é um processo que leva tempo, é intenso, exige pensamento criativo, precisa que você saia detrás da sua mesa e vá pra rua, observe, analise… O foco deve ser na identificação do problema e não na criação da solução! Pode parecer simples e talvez até óbvio, mas na prática não é assim que acontece na esmagadora maioria dos casos!

Portanto:

• Procure por problemas que as pessoas ou instituições tenham;

• Aprenda a investigar;

• Tenha paciência, muitas vezes o problema não é tão óbvio;

• Seja criativo nessa hora, combine sintomas ou causas que possam não ter qualquer relação aparente;

• Não se afobe em tentar criar soluções complexas antes de ter uma profunda análise do problema. Comece tentando as mais simples, elimine-as quando estiver seguro e se concentre nas próximas possibilidades;

• Só então, depois de todo este intenso processo, desenvolva sua solução.  Se ela efetivamente resolver um problema, as chances de progresso serão extremamente aumentadas.

E quando tiver um tempo livre para aprimorar suas habilidades empreendedoras de identificar problemas, assista ao Dr. House!

Autor: Rafael Duton – empreendedor, professor e fundador da Movile e da aceleradora de negócios digitais 21212. Empreendedor Endeavor desde 2003.

Leia mais em Endeavor @ https://endeavor.org.br/empreende-dor








Como vai funcionar o Startup Weekend Florianópolis

O primeiro dia está reservado para os pithces que serão no formato “pitch-fire”, ou seja, você terá 60 segundos para chamar a atenção com sua ideia.

Nada de quadro ou slides – será você, sua voz e o microfone. Você não terá tempo para falar de detalhes, então foque na ideia principal e contagie as pessoas com seu entusiasmo. Segue um formato recomendado para os pitches:

  • Quem é você e qual é a sua história? (5-10 segundos)
  • Qual é o problema que seu produto vai resolver? responda diretamente ou conte uma história (10-20 segundos)
  • Explique o produto e como ele resolve o problema (10-20 segundos)
  • Quem você precisa na sua equipe (desenvolvedor, marketing, designer?) (5-10 segundos)
  • Finalmente, invente um nome para a sua startup para que a organização possa anotar
  • Votação & formação das equipes

Após os pitches, haverá um tempo para trocar ideias. Se você apresentou um pithc recomendamos que você comece a juntar pessoas que se interessaram pelo seu pitch. Se você não apresentou nenhuma ideia ou teve problemas em recrutar pessoas para sua ideia, procure outras pessoas que apresentaram pitch os quais você achou interessante.

O próximo passo é a votação. Todos os participantes vão votar nas ideias apresentadas, a fim de escolherem as ideias que serão implementadas durante o restante do Startup Weekend Florianópolis. Essa é uma forma de encorajar as pessoas a formarem equipes que vão colocar a mão na massa para tornar essa ideia numa startup.

O que você deve levar

  • Notebook
  • Cartão de visitas
  • Algo para tomar notas
  • Algum documento oficial
  • Muita Energia
  • Pitches/Ideias

No Domingo de tarde todas as equipes apresentarão o trabalho que fizeram para uma banca de jurados!








Startup Weekend Mobile Floripa, inscrições em breve!

A todos que estavam aguardando mais uma oportunidade de produzir e aprender em 54 horas de evento, informamos que o Startup Weekend Floripa Mobile acontecerá nos dias 14/11, 15/11 e 16/11.

As inscrições acontecerão em breve, fique ligado!