Empreendedorismo Reúne Governo no Floripa

O primeiro Startup Weekend com a temática Governo no Brasil aconteceu em Florianópolis nesse final de semana. O #SWGovFloripa traz uma grande oportunidade para os participantes colaborarem com o setor público e lançar ideias que resolvam problemas reais na esfera governamental, das cidades e das comunidades empoderando o cidadão. Essa edição que teve lotação máxima de 120 participantes foi realizada no Centro de Inovação ACATE Primavera entre sexta e domingo (24 a 26 de Março).

É o evento ideal para tirar a ideia do papel e colocar ela em prática e os participantes ainda podem contribuir com soluções que aumentem a inovação e beneficiem a sociedade como um todo. O Startup Weekend utiliza uma metodologia que em 54 horas ao longo de um fim de semana os empreendedores, Desenvolvedores, Designers, entusiastas e nesta edição também conta com a participação de Agentes Públicos se unem para compartilhar ideias, formar equipes e criar startups.

O local do evento disponibiliza toda estrutura necessária com uma ótima localização na Rodovia SC 401 no Km04, dentro do Primavera Garden Center. No valor do ingresso estão inclusas refeições e coffee breaks, e todo o material necessário para o desenvolvimento das ideias, além do suporte dos mentores que utilizam de toda a sua experiência profissional para auxiliar os participantes.

Essa edição conta com o patrocínio de grandes empresas que estão sempre apoiando iniciativas para desenvolver o empreendedorismo local como SEBRAE, Softplan, e o BRDE. E como apoiadores grandes empresas no cenário empreendedor de Florianópolis como:  o grupo de pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina VIA Estação Conhecimento, WeGov, Code for Floripa, Intexfy, CIASC e a SDS – Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável, que juntos colaboraram com os organizadores do evento.

Nosso time de mentores: Depois de todas as mentorias as equipes trabalharam duro para desenvolver a ideia e chegar ao nível de apresentação dos Pitchs.

Às 17h iniciou a apresentação final dos pitchs finais para os jurados: Gabriela Tamura (WeGov), Carlos Chiodini (secretaria do Desenvolvimento Econômico e Sustentável), Moacir Marafon (Softplan), Gabriela Werner (Impact Hub).

E as vencedoras foram:

  • 1º Lugar: VIGÍLIA
  • 2º Lugar: PROTOCOLEI
  • 3º Lugar: SELO SAÚDE SOCIAL
  • Menção Honrosa: PLATAFORMA CRIATIVA

Organizadores do evento

Durante todo o evento são realizadas palestras instrutivas que expliquem para os participantes cada passo que precisa ser tomado para ter uma ideia sucesso, a primeira palestra motivadora foi realizada pelo mentor Tony Celestino, que veio para Florianópolis representando a Techstars Brasil no evento. A palestra ajudou os participante a entenderem a importância da validação de sua ideia para as Startups. O mentor iniciou a palestra indicando alguns procedimentos básicos para nortear os participantes em seguida foco para a validação das ideias. Para isso, é importante que o processo seja realizado de maneira investigativa, realizando entrevistas com pessoas desconhecidas, segundo o mentor, essa é a melhor forma de saber o que o mercado está precisando. Depois foi a vez do Lucas Prim – Gestor da startup SumOne – falar sobre o MVP (Minimum Viable Product) que é conhecido como uma prática de administração de empresas que busca lançar um novo produto ou serviço com menor investimento possível, para experimentar o negócio antes de aportar grandes investimentos. A última palestra foi com Marcos Buson – fundador da empresa Pinmypet – afirma que o Pitch precisa ser apresentado da melhor forma e da maneira mais convincente e clara possível. 

Essa edição só foi possível de ser realizada graças ao apoio de vários patrocinadores, entre eles o BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

Saiba mais sobre este nosso patrocinador!

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE foi fundado em 1961 pelos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, com o objetivo de fazer o Sul do Brasil prosperar. Desde então, o BRDE tem sido um parceiro que apoia e acompanha o desenvolvimento de projetos para aumentar a competitividade de empreendimentos de todos os portes na região. Nesse sentido, tem ampliado o incentivo à inovação tecnológica e assumindo posição de destaque no financiamento de projetos inovadores.

Em 2013, o Banco iniciou estudos para criar uma linha exclusiva de investimento na área de inovação. O governo do Estado de SC, um dos acionistas do BRDE, queria investir em parques tecnológicos, criar centros de inovação. Os próprios clientes também demandavam linhas de financiamento mais adequadas a empresas inovadoras.

Em conjunto com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), O BRDE desenvolveu um programa para financiar a inovação com características mais aderentes à realidade das empresas. Assim nasceu o programa BRDE Inova, atendendo a demandas do setor, que tinha dificuldade para atender as garantias e exigências tradicionais do banco.

Para facilitar o acesso dos empresários da indústria de tecnologia aos recursos financeiros, o banco decidiu criar uma política específica de crédito. Entre as mudanças, a flexibilização de garantias, o estabelecimento de critérios para definir projetos e empresas inovadoras e também a flexibilização dos itens passíveis de financiamento, que passaram a incluir de mão-de- obra (home-hora) a viagens de aperfeiçoamento, para feiras e eventos no exterior.

A partir da criação do BRDE Inova, foi possível retirar a exigência de garantias reais para financiamentos de até R$ 1 milhão. A medida tornou o programa um case nacional, com o banco assumindo a liderança no repasse da linha de financiamento Finep Inovacred e também no repasse da linha MPME Inovadora, do BNDES.

Recentemente, o BRDE aprovou sua participação como cotista no fundo de investimentos Criatec 3, capitaneado pelo BNDES. Até agora, o investimento foi de R$ 12 milhões, mas o Banco estuda a participação em outros fundos. O Criatec 3 foi criado para financiar iniciativas inovadoras e possibilita aportes de R$ 1,5 milhão a R$ 10 milhões por empresa, dependendo da avaliação do fundo.